terça-feira, 23 de outubro de 2007

Um humano foi campeão.


Quando era nadador de competição, fiquei com a clara percepção que o desporto de "alta competição" é desumano.

É, pelo sacrifício exigido, pela dedicação total e exacerbada. Um atleta de "alta competição", não tem vida própria. Sabe que está proibido de se divertir quando lhe apetece, ou psiquicamente precisa. Está proibido de "viver". Vive numa espécie de clausura de convento só e apenas para um fim: ser campeão.

É muito triste.

Depois, vieram outros atletas mais dotados para determinadas modalidades desportivas, e foi o fim do desporto de competição para as pessoas "normais". No Basket, só é campeão quem tiver mais de 2 metros de altura. No salto em altura e no salto em comprimento, são necessários pelo menos 1 metro de pernas... E por aí fora...

Sou claramente contra este tipo de desporto, que premeia estas posturas.
Parece que estamos no filme "Blade Runner" a lutar contra os "replicants".

Ontem, um "humano" foi campeão do mundo.

É uma pessoa que é capaz de passar uma noite nos copos com as amigas, e no dia seguinte ganhar uma corrida.

Fiquei tão contente!

10 comentários:

Pitigrili disse...

The "Ice Man" é humano? WOW!!!
Qual é o humano que é capaz de passar a noite com as amigas nos copos e no dia seguinte ganhar uma corrida de Fórmula 1?
Tá bem, todos nós conhecemos pilotos que andavam na borga na noite antes das provas, mas nem era Fórmula 1, nem eles ganhavam por estar absolutamente recuperados...

asperezas disse...

P:"The "Ice Man" é humano?"
R: É!

P:"Qual é o humano que é capaz de passar a noite com as amigas nos copos e no dia seguinte ganhar uma corrida de Fórmula 1?"
R: o "IceMan"

Cumps,
f

Helder de Sousa disse...

no tempo dos gentlemen drivers era assim....

Ruy disse...

Quando ao final do GP do Brasil, foi anunciado que os BMW e Willians estavam sob investigação e havia a possibilidade de Lewis ser campeão, jurei que não assistiria mais a um GP de F1.

Bem, ou mal, finalmente ficou como estava, sem falar no regulamento que permitiria desclassificar os carros acima, e não dar os pontos ao Hamilton.

Finalamente, depois de uma temporada vergonhosa (excederam os limites da espionagem, e dos favorecimentos) meu preferido na disputa final foi oficializado campeão.

Nunca havia pensado no que Fernando disse: um humano foi campeão.
Eu diria mais; os bons tempos voltaram.

Lembrei de meu ídolo James Hunt, que parou num GP, e quando foi indagado por Ted Meyer qual era o problema do carro, simplesmente respondeu: dor de barriga por excesso de champanhe ontem à noite.

Meu ídolo maior no automobilismo Nelson Piquet, quando parou de correr disse: disputei 200 GP, mas confesso que fiz 200 grandes farras, sem falar que fomos parar na delagacia de polícia depois da farra comemorando a a vitória na Argentina.

Confesso que morri de inveja. Correr de carro, ser campeão, fazer o que se gosta, fazer farra, e aínda ganhar dinheiro para fazer tudo isso, tem coisa melhor no mundo?

Os puristas que me desculpem, mas vencer dessa forma é muito mais gosotoso.

Alexandre disse...

Eu fiquei contente por duas razões:
-Porque a batota não vingou e porque os pilotos da McLaren deviam ter sido desclassificados, se a marca o foi;
-Porque este é realmente um piloto à antiga, que tem vida e vontade próprias, embora seja um bom profissional. Faz o trabalho dele e já está, ninguém tem nada a ver com o que faz fora das pistas.

Resta-me acrescentar que, embora seja bom piloto, o Alonso a mim não aquece nem arrefece, é muito chorão e sem carisma.

Helder de Sousa disse...

Concordo em parte com o que vcs dizem mas por outro lado, acho que considerar o Raikonen humano, só pelo facto de beber uns copos de vodka, é pouco. O Turza falou do também meu idolo Nelsinho Piquet e do meu outro James Hunt...é que estes, independentemente dos copos que bebiam e das malandrices que faziam, tinham uma forte componente humana que era...FALAR. Eles falavam e diziam coisas interessantes. É disso que se cria carisma e de que os citados atrás tinham em quantidades industriais. Ao Raikonen nunca ouvi nem li nada de nada. Questão de feitio, questão de origem, questão de educação, questão de infância, não sei nem isso é fundamental. Fundamental é que se saiba o que ele pensa e isso ainda não aconteceu. Aliás, o próprio Bernie Ecclestone está preocupado com este Campeão do Mundo que vai ter de enfrentar situações de promoção e que "não fala". Mal por mal, em termos de humanidade, apesar de dizerem que foi formatado desde a infância, acho o Hamilton mais humano. Sempre reconheceu os seus erros, afirmou que queria ganhar o titulo, etc, etc, falou.
Sabemos o que pensa. ASgora, se ele vai pr'ós copos à noite acho melhor que não vá, não é atitude profissional.

asperezas disse...

Bom... No fim do GP do Brasil, o IceMan falou pelos cotovelos!
Foi à força duns valentes goles de champagne no pódio?
:D
Não sei...

Mas é ainda um "miúdo", que como todos os "miudos" escandinavos, fala pouco por uma questão de vivência e cultura.

Não é profissional beber antes de correr?
Claro que não!
Não é isso que está em causa.
O que está em causa, é a disciplina exigida 12 meses por ano, ano após ano!
E quando a McLaren pôs em causa o comportamento do Kimi, aplaudi a reacção de Briatore que logo avisou: EU COMPRO!!!
:D

Armando de Lacerda disse...

Antes do meu comentário, uma referência a duas afirmações que gostei muito de ler.
A primeira foi de que o Ice Man é humano e a outra, do Helder, que no tempo dos gentlemen drivers era assim...
E senti saudades do tempo em que os pilotos eram, de facto, humanos.
Agora, o que senti no domingo.
Durante toda a época sofri com a tristeza dos factos não desportivos que se verificaram, com as semi penalizações aplicadas "para inglês ver", de todas as pressões e diligências para fazer campeão um jóvem piloto, cheio de qualidades para o vir a ser, mas que ainda o não é como se verificou pelo seu comportamento, principalmente, nas duas últimas corridas.
E como ferrarista sofri...sofri até ao fim.
Sofri porque nas "boxes" da Ferrari as coisas também não corriam bem; sofri porque o Kimi levou tempo a adaptar-se ao carro ou este a adaptar-se à sua condução.
Na manhã de domingo, desejei a um amigo forista que estava em Interlagos, a festejar o seu aniversário, que tivesse como prenda uma dobradinha da Ferrari e o Kimi campeão.
Eu que não acredito em milagres queria acreditar num e ele deu-se...milagre não sobrenatural, mas humano, muito humano... como o Kimi que bebe copos e perde noites com meninas, mas que tem fibra de campeão e luta até ao fim com aquela calma que chega a ser exasperante
À terceira foi de vez. Bem o merecia.
E ainda bem que foi ao volante de um Ferrari.

Alexandre disse...

Só mais uma coisa, um pouco off topic: temos que criar no blog o cantinho do clube de fãs do Nélson Piquet, porque eu também sou fã, e muito! No dia em que ele se sagrou Campeão do Mundo de F1 pela primeira vez, apanhei um solene pifo de scotch para celebrar!

asperezas disse...

Alexandre: ainda não foram inventados cantos nos blogs! O melhor é criares esse blog! :D

Mas hoje, dia 29, sairam os jornais.
Nem queiram saber como fiquei surpreendido com os elogios e as referências ao novel campeão... :D

Do AutoSport Pt:
«"Não suporto que falem alto comigo sem razão e que me dêem ordens estúpidas, como acontece na tropa. Tive de passar vários meses na tropa e esses foram os piores da minha vida!" Claramente tínhamos aqui alguém com pouco
respeito pela autoridade excessiva! »

Counter